NOTÍCIAS

Três em cada quatro carros seminovos foram comprados por consórcio

Três em cada quatro carros seminovos foram comprados por consórcio

20/06/2018

Três em cada quatro carros seminovos foram comprados por consórcio.

 O Sistema de Consórcios conta atualmente com pouco mais de 6 milhões de consorciados ativos no setor de automotores. Em função disso, vem evoluindo e se aprimorando, possibilitando ao consumidor fazer seu planejamento e escolher entre os vários modelos de veículos leves ou motos desejados, novos ou seminovos, por ocasião da contemplação por sorteio ou por lance. Segundo a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), o primeiro quadrimestre deste ano do mercado de vendas de veículos seminovos e usados foi positivo em 5,1%, quando comparado ao mesmo período de 2017. Um avanço de 16,8% é apontado quando a comercialização de abril de 2018 é comparada com a do ano passado. Com os dados divulgados pela B3 sobre os resultados do primeiro quadrimestre, é possível notar a evolução do crescimento da participação média mensal da modalidade do consórcio de automóvel no total dos negócios a prazo ocorridos nos últimos anos. Enquanto em 2011 a presença era de 49,8%, em abril de 2018 atingiu 75,2%, registrando crescimento de 25,4 pontos percentuais. Paralelamente, nos veículos novos houve retração de 50,2% (2011) para 24,8% (abril deste ano). Isto significa que a cada quatro automóveis adquiridos por meio de créditos concedidos por contemplações, três foram para compra de seminovos e um para o novo. Para Paulo Roberto Rossi, presidente-executivo da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), “uma das principais características do Sistema é a liberdade de escolha que o consorciado tem quando é contemplado. Ao receber a informação de que dispõe de crédito para comprar seu carro zero, tem a possibilidade de adquirir o veículo desejado inicialmente, por ocasião da adesão, ou dar preferência a outro modelo, por exemplo, um seminovo mais equipado. Um consorciado contemplado tem o poder de comprar à vista, semelhante àquele que tem dinheiro no bolso, o que possibilita a decisão pelo que mais lhe convier, inclusive com capacidade de barganha e obtenção de descontos”. Nos dados quadrimestrais da B3, o crescimento da participação média mensal dos consórcios na aquisição de motocicletas seminovas era de 5,1% em 2011, enquanto em abril deste ano chegou a 10%, quase duplicando a presença. Simultaneamente, nas novas registrou-se pequena retração, reduzindo o percentual de 94,9% (2011) para 90% (abril de 2018). Ao longo de quase oito anos, compreendidos entre 2011 até abril de 2018, notou-se o crescimento do interesse do consumidor em adquirir veículos leves, novos e seminovos por consórcio, fato que vem provocando maior participação da modalidade no volume de vendas parceladas contratadas. No primeiro ano dessa análise (2011) a presença do mecanismo nos chamados automóveis zero-quilômetro era de 5,94%. No final do primeiro quadrimestre deste ano, alcançou 8,47%, com crescimento de 2,53 pontos percentuais. Nos seminovos, a participação, que era 3,68% em 2011, quase triplicou ao atingir 9,92%, gerando alta de 6,24 pontos percentuais. A mesma tendência foi registrada no mercado de motocicletas e motonetas novas e seminovas: nas motos ‘zero’, em 2011, havia 29,96% de negócios realizados, enquanto em abril chegou a 39,71%, uma diferença positiva de 9,75 pontos. Entre as seminovas, em 2011, o percentual era de 12,45%, enquanto no mês passado pontuou 19,74%, um aumento de 7,29 pontos percentuais.

Bancos liberam mais de R$ 39 bilhões para compra de veículos até abril

 O total de recursos liberados para financiar a compra de veículos, nos quatro primeiros meses de 2018, somou R$ 39,049 bilhões. Esse volume representa um aumento de 33,4% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando os bancos concederam quantias na ordem de R$ 29,2 bilhões. Para as operações de CDC foram liberados R$ 38,4 bilhões, enquanto R$ 623 milhões são advindos do leasing. 12/06/2018 Três em cada quatro carros seminovos foram comprados por consórcio. De acordo com os dados do boletim divulgado pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), em abril os bancos liberaram R$ 10,2 bilhões em CDC para a compra de veículos leves, volume 0,6% inferior ao atingido no mês anterior. Ainda assim, o índice é 53% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Desse total, R$ 8,4 bilhões foram destinados para as pessoas físicas e os R$ 1,7 bilhão restante para as pessoas jurídicas. “A expectativa para este ano é de que o financiamento de veículos se mantenha em ritmo de crescimento constante, o que mostra a confiança do consumidor na economia, mesmo que estejamos em um ano de Copa do Mundo e de eleições”, explica o presidente da Anef, Luiz Montenegro. Já para as operações de leasing foram liberados R$ 162 milhões, redução de 4,1% em relação ao mês de março, porém, alta de 6,6% na comparação com abril de 2017. O maior volume, de R$ 130 milhões, foi destinado às empresas, e os R$ 32 milhões restantes às pessoas físicas. Em abril, o saldo das carteiras atingiu a marca de R$ 178,7 bilhões, alta de 1,2% em relação ao mês de março e de 10,7% em doze meses. Desse montante, R$ 175,2 bilhões correspondem às operações de CDC e R$ 3,5 bilhões à carteira de leasing. No quarto mês do ano, a taxa de inadimplência nas operações de financiamento para pessoas físicas foi de 3,6%. Isso representa uma queda de 0,9% ponto percentual em doze meses. Na carteira de leasing, o índice de não pagadores foi de 2,2%, redução de 1,4 ponto percentual na comparação com mesmo período de 2017. Para as pessoas jurídicas, a taxa de inadimplência nas operações de CDC foi de 2,0%, o que representa uma queda de 0,5 ponto percentual em relação a março, e de 2,3 ponto percentual na comparação com abril de 2017. Na carteira de leasing, o índice foi 1,1%, redução de 0,5 ponto percentual na comparação com o mês anterior e diminuição de 2,5 pontos percentuais em 12 meses. Em abril, as entidades associadas à Anef cobraram juros de 18% ao ano e 1,39% ao mês, enquanto os independentes trabalharam com 21,5% e 1,64%, respectivamente. O prazo médio das concessões, que no mesmo período do ano passado era de 41,9, este mês, passou para 42,9.

FAÇA SEU CONSÓRCIO AQUI Entre em
contato